NR-20: AS 3 CLASSES DE INSTALAÇÕES

Terça, 18 Outubro 2016 00:58
Avalie este item
(2 votos)


Hoje o NRFACIL vai trazer a abordagem de uma questão sobre a NR-20 que caiu em um concurso recente da Petrobrás. Vamos analisar a teoria sobre as 3 classes de Instalações presentes na Norma para entender a resposta. Leia abaixo:

 


Vamos agora dar uma olhada no que a NR-20 fala sobre as 3 classes.

Acesse a NR através da nossa Playlist de NRs 
aqui mesmo em nosso site para acomapnhar:

 

No item 20.4 (Classificação das Instalações) a Norma vai determinar pra gente quais são as atividades e quais são os volumes de armazenagem que correspondem as Classes 1, 2 e 3.

Primeiramente, pra quem não entende muito sobre conversão de medidas de volume, o que é um metro cúbico?

a melhor forma que eu vejo para você entender o que é um metro cúbico, é pensar numa caixa d'água com capacidade de mil litros. Essa caixa d'água tem a capacidade de 1 metro cúbico. 1 metro cúbico corresponde a mil litros. Então quando você ver na rua um caminhão tanque transportando gasolina, por exemplo, com uma capacidade de 15 metros cúbicos, saiba que ali tem uma capacidade de 15 mil litros de gasolina. 



E o que é mais importante se conhecer na NR-20 além dessa questão das classes das instalações?

É importante conhecer também sobre Ponto de Fulgor, para saber distinguir entre líquido combustível e líquido inflamável.

Ponto de fulgor, ou Ponto de Inflamação, é a menor temperatura na qual um combustível liberta vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável por uma fonte externa de calor. O ponto de fulgor, ou ponto de inflamação, não é suficiente para que a combustão seja mantida.

Vamos lá, voltando a questão do post, quais são as 3 classes segundo a NR-20?

Na classe 1, é importante entender que a NR-20 tem um certo critério que eu acho até confuso, porque geralmente quando se vai classificar alguma coisa é utilizado apenas 1 critério. Mas a NR-20 usa 2 critérios, o critério atividade e o critério armazenagem. Pelo critério atividade, todo posto de serviço com inflamável ou líquido de combustível, ou seja, os postos de combustíveis são classe 1. 

No critério de armazenagem, se for armazenagem de gases de 2 até 60 toneladas vai ser considerado classe 1. Se for líquido, de 10 até 5 mil m3, será também considerado classe 1. E um detalhe muito importante que a Norma coloca pra gente é que o critério de atividade é prioritário, ou seja, ele é mais relevante do que o critério de volume de armazenagem pra dizer se vai ser classe 1, 2 ou 3. Então você prioritariamente vai olhar sempre pelo critério da atividade. Logo, posto de serviço com inflamável ou líquido combustível é classe 1. E quais as atividades que são classe 2?

Engarrafadoras de gases inflamáveis e o transporte dutoviário de gases e/ou líquidos inflamáveis. E o critério de armazenagem da classe 2 são gases de 60 a 600 toneladas e líquidos de 5 mil a 50 mil m3.

 

E quais são as atividades que se enquadram na classe 3?

 

As refinarias, as unidades de processamento de gás natural, as instalações petroquímicas e as usinas de etanol.

Quais são os critérios de armazenagem da classe 3?

Se forem gases inflamáveis acima de 600 toneladas e líquidos inflamáveis acima 50 mil m3.

Vamos voltar ao texto da questão agora que já estudamos a teoria. 

 

 

Bom, o armazenamento para ser classe 1, a capacidade deve ser de 10 m3 até 5 mil m3, segundo a teoria que acabamos de ver. Logo, a resposta correta para essa questão é a letra A. 

 

E o que é mais importante se conhecer na NR-20 além dessa questão das classes das instalações?

É importante conhecer também sobre Ponto de Fulgor, para saber distinguir entre líquido combustível e líquido inflamável.

Ponto de fulgor, ou Ponto de Inflamação, é a menor temperatura na qual um combustível liberta vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável por uma fonte externa de calor. O ponto de fulgor, ou ponto de inflamação, não é suficiente para que a combustão seja mantida.

 

Lido 1994 vezes Última modificação em Quarta, 19 Outubro 2016 02:07

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Redator

NR-35: TREINAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO
GUIA DE ANÁLISES ACIDENTE DE TRABALHO
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CORDAS DE SEGURANÇA
SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DE ABRASIVOS
O QUE VOCÊ ESPERA DA EMPRESA?
NR-20: AS 3 CLASSES DE INSTALAÇÕES
ABC DO TRABALHO EM EMBARCAÇÕES
MOTOBOY: CARTILHA PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRANSITO
GLOSSÁRIO DO INCÊNDIO
SALÁRIO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA: VEJA PORQUE É BAIXO
(NR-35) 10 ELEMENTOS BÁSICOS EM PROTEÇÃO DE QUEDAS
50 TONS DE SEGURANÇA NO TRABALHO
CONFIRA AS PRINCIPAIS DÚVIDAS E RESPOSTAS SOBRE A NR-17
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (SST) NAS SUBCONTRATAÇÕES: QUESTÕES ATUAIS
SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE ANDAIMES
CARTILHA PARA SEGURANÇA NO CANTEIRO DE OBRAS
O STRESS DO EPI
O QUE FAZER NO LOCAL APÓS UM ACIDENTE DE TRABALHO?
LOBBY DO AMIANTO GASTA US$ 100 MILHÕES NO MUNDO
AMIANTO: PERGUNTAS E RESPOSTAS
RUÍDO AERONÁUTICO: IMPACTOS E PERSPECTIVAS ATUAIS
RUÍDO SOMADO À EXPOSIÇÃO A PRODUTOS QUÍMICOS PODE CAUSAR DANOS DEVASTADORES A AUDIÇÃO
CALOR EM AMBIENTE EXTERNO É INSALUBRE?
5 RECOMENDAÇÕES PARA QUEM TRABALHA EM PÉ
BERNARDINO RAMAZZINI - AS DOENÇAS DOS TRABALHADORES (2016)
(NR-9) NÍVEL DE AÇÃO: DEIXANDO SEU PPRA A PROVA DE BALA
OS 10 MANDAMENTOS DO SOCORRISTA
DECAPAGEM QUÍMICA
PROBLEMAS LIGADOS AO ÁLCOOL E AS DROGAS NA SEGURANÇA NO TRABALHO
PONTOS DE VERIFICAÇÃO ERGONÔMICA NA AGRICULTURA
CARTILHA LER-DORT
PREVENÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO BENZENO NO BRASIL
A BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE: PERGUNTAS E RESPOSTAS
COMO CALCULAR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
PARA NÃO ESQUECER: 9 MOTIVOS PARA VOCÊ SE PREOCUPAR COM A NOVA LEI DA TERCEIRIZAÇÃO
TRABALHO AEROPORTUÁRIO E PERICULOSIDADE
CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Monografia: O DIREITO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE DO TRABALHO PORTUÁRIO
INSS: DIREITO DE REGRESSO EM AÇÕES ACIDENTÁRIAS
(NR-5 CIPA) CULPA E RISCO EM ACIDENTE DE TRABALHO
ANÁLISE DE ACIDENTES: O FIM DA CAT?
ANÁLISE DOS SINAIS PRECURSORES DO ACIDENTE DA P-34
DA MEDICINA DO TRABALHO À SAÚDE DO TRABALHADOR
VEJA COMO ATUALIZAR SEU SOFTWARE
15 DICAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE LINHAS DE VIDA
AFINAL, O QUE É TESTE CARGA?
AFINAL, PODE OU NÃO ILUMINÂNCIA NO PPRA?
SESMT: PERGUNTAS E RESPOSTAS (MTE - 2016)
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
E-SOCIAL: UMA NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO (POR FELIPE COSTA, TST)
MODELAGEM COMPUTACIONAL APLICADA PARA SEGURANÇA/PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
TIPOS DE FERRAMENTAS MANUAIS
MTE: ESTRATÉGIA NACIONAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO 2015-2016
GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR
UTILIZANDO UMA MATRIZ DE RISCO
GESTÃO DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
A GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Assine já e participe 

dos nossos grupos 

no Whats App!

Conheça profissionais 

de todo Brasil e tire

suas dúvidas!