SALÁRIO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA: VEJA PORQUE É BAIXO

Segunda, 18 Abril 2016 15:22
Avalie este item
(3 votos)


 
O salário dos Técnicos de Segurança são definidos a nível estadual pelos seus respectivos sindicatos. A exceção a esta regra tem sido o estado do Rio de Janeiro, cujo governador lançou uma norma que regulamenta o salário dos TSTs. Nos outros estados continua vigorando o piso que o sindicato determina e onde o sindicato não determina simplesmente não tem piso.

O salário dos TSTs em alguns estados é realmente muito baixo, tirando o estado de SP que tem seguido uma linha de aumentar o salário gradativamente ano a ano. Em outros estados o aumento é pequeno e muitas vezes não acontece.


Mas se engana quem pensa que determinar um salário digno para categoria é uma tarefa fácil. A negociação que o sindicato faz para aumentar o salário dos TSTs é muito complicada. Para se ter uma idéia da dificuldade, vou comparar com o Sindicato dos Metalúrgicos do estado de Goiás, um dos mais atuantes do Brasil. Eles tem uma média salarial muito acima do que outros sindicatos conseguem. Porém, eles tem uma facilidade nos Sindicatos dos Metalúrgicos que nós não temos nos sindicatos dos TSTs.

O Sindicato dos Metalúrgicos precisa negociar apenas com um sindicato patronal, ou seja, o sindicato dos trabalhadores se reúne com o sindicato do empregador e os dois negociam um salário que seja aceito pelos dois. Não existe imposição, é negociável.

 

Já no caso do sindicato dos TSTs, a coisa é muito mais complicada pois precisam negociar com vários sindicatos dos empregadores. Nâo existe apenas um sindicato do empregador para negociar pois a categoria dos TSTs trabalha em vários segmentos. Então o sindicato dos TSTs precisam se juntar e negociar com diversos sindicatos.

 

 

Então, muitas vezes, essa negociação vai parar lá no Ministério Público e é ai que as coisas começam a andar. O grande problema dos sindicatos é que a própria categoria de TSTs não abraça não abraça os sindicatos. A categoria quer ter um salário bom mas não quer participar do sindicato, ir a reunião, votar, etc... então fica tudo como está. Alguns dirigentes sindicais ainda usam os sindicatos em benefício próprio e a categoria fica chupando dedo. Quer um conselho? participe do seu sindicato, vá a reuniões, tente mobilizar de alguma forma. Participe antes de reclamar.

O que eu tenho visto de gente reclamando de sindicato no facebook... mas eu pergunto, quantos são filiados? todo mundo sai de fininho. Querem receber um piso digno mas não querem participar do sindicato. Antes de cobrar, participe, se filie, colabore com a instituição.

Muitas pessoas dizem que se houvesse um conselho de classe seria diferente. Negativo. Conselho de classe não regulamenta salário, ele visa fiscalizar apenas a conduta do profissional. Salário é prerrogativa de sindicato. 

Quantas categorias de nível técnico tem conselho de classe? eu só conheço categorias de nível superior que tem conselho de classe. 

Mas e os Técnicos de Enfermagem e Contabilidade, não tem seu próprio conselho de classe?

Negativo. Os Tec. de Enfermagem são filiados ao Conselho de Enfermagem que é dos Enfermeiros, ou seja, de profissionais de nível superior e os de contabilidade são filiados ao Conselho Regional de Contabilidade, assim como os Bacharéis em Ciências Contábeis. Se o conselho fosse específico deles o título seria "Conselho dos Técnicos de Contabilidade"

Talvez esse conselho para os TSTs nunca saia do papel. Minhas torcida é que saia, mas ando meio pessimista principalmente quando comecei a observar por esse ângulo. Será que nós seríamos os primeiros a ter um conselho de classe? ai vem um erro clássico da categoria: ahh mas nós somos imortantes...

Todo trabalhador é importante! desde a faxineira até o líder de setor, todos são importantes, todos colaboram para o bem da organização. Um grande do erro do TST é ficar pensando que somos melhor do que os outros dentro da empresa. Nada disso, cada um com a sua importância, cada um colabora de alguma forma.

 

Nestor W. Neto, TST

 

Lido 2911 vezes Última modificação em Terça, 26 Abril 2016 01:17

2 comentários

  • Link do comentário Ailton Pereira da Silva Terça, 24 Janeiro 2017 19:18 postado por Ailton Pereira da Silva

    Muito bom o artigo. Antes de reclamarmos precisamos ter conhecimento de como as coisas funcionam. Com conhecimento pode-se agir de forma a fortalecer a profissão. ficamos um de cada lado e queremos que as coisas funcionem bem. Desta forma os patrões deitam e rolam em cima do nosso salario e melhorias. Parabéns e Sucesso!

  • Link do comentário Fernando da Costa Sexta, 20 Maio 2016 23:40 postado por Fernando da Costa

    muito bem colocado , parabéns pelo artigo, percebo isso também acho que é mal de TST, achar que ele é o melhor, que ele é o mais importante da face da terra!

    conheço muitos assim ...

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Redator

(NRS 10, 12, 18, 31 E 33) ATMOSFERAS EXPLOSIVAS
NR-35: TREINAMENTO TEÓRICO E PRÁTICO
GUIA DE ANÁLISES ACIDENTE DE TRABALHO
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE CORDAS DE SEGURANÇA
SEGURANÇA E UTILIZAÇÃO DE ABRASIVOS
O QUE VOCÊ ESPERA DA EMPRESA?
NR-20: AS 3 CLASSES DE INSTALAÇÕES
ABC DO TRABALHO EM EMBARCAÇÕES
MOTOBOY: CARTILHA PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRANSITO
GLOSSÁRIO DO INCÊNDIO
SALÁRIO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA: VEJA PORQUE É BAIXO
(NR-35) 10 ELEMENTOS BÁSICOS EM PROTEÇÃO DE QUEDAS
50 TONS DE SEGURANÇA NO TRABALHO
CONFIRA AS PRINCIPAIS DÚVIDAS E RESPOSTAS SOBRE A NR-17
SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR (SST) NAS SUBCONTRATAÇÕES: QUESTÕES ATUAIS
SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE ANDAIMES
CARTILHA PARA SEGURANÇA NO CANTEIRO DE OBRAS
O STRESS DO EPI
O QUE FAZER NO LOCAL APÓS UM ACIDENTE DE TRABALHO?
O PERIGO DO AMIANTO
LOBBY DO AMIANTO GASTA US$ 100 MILHÕES NO MUNDO
AMIANTO: PERGUNTAS E RESPOSTAS
RUÍDO AERONÁUTICO: IMPACTOS E PERSPECTIVAS ATUAIS
RUÍDO SOMADO À EXPOSIÇÃO A PRODUTOS QUÍMICOS PODE CAUSAR DANOS DEVASTADORES A AUDIÇÃO
CALOR EM AMBIENTE EXTERNO É INSALUBRE?
5 RECOMENDAÇÕES PARA QUEM TRABALHA EM PÉ
BERNARDINO RAMAZZINI - AS DOENÇAS DOS TRABALHADORES (2016)
(NR-9) NÍVEL DE AÇÃO: DEIXANDO SEU PPRA A PROVA DE BALA
OS 10 MANDAMENTOS DO SOCORRISTA
DECAPAGEM QUÍMICA
PROBLEMAS LIGADOS AO ÁLCOOL E AS DROGAS NA SEGURANÇA NO TRABALHO
PONTOS DE VERIFICAÇÃO ERGONÔMICA NA AGRICULTURA
CARTILHA LER-DORT
PREVENÇÃO DE EXPOSIÇÃO AO BENZENO NO BRASIL
DOCUMENTOS MÍNIMOS PARA ATENDIMENTO À NR-12
A BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE: PERGUNTAS E RESPOSTAS
COMO CALCULAR ADICIONAL DE INSALUBRIDADE
PARA NÃO ESQUECER: 9 MOTIVOS PARA VOCÊ SE PREOCUPAR COM A NOVA LEI DA TERCEIRIZAÇÃO
TRABALHO AEROPORTUÁRIO E PERICULOSIDADE
CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO
Monografia: O DIREITO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE DO TRABALHO PORTUÁRIO
INSS: DIREITO DE REGRESSO EM AÇÕES ACIDENTÁRIAS
(NR-5 CIPA) CULPA E RISCO EM ACIDENTE DE TRABALHO
ANÁLISE DE ACIDENTES: O FIM DA CAT?
ANÁLISE DOS SINAIS PRECURSORES DO ACIDENTE DA P-34
DA MEDICINA DO TRABALHO À SAÚDE DO TRABALHADOR
VEJA COMO ATUALIZAR SEU SOFTWARE
15 DICAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE LINHAS DE VIDA
AFINAL, O QUE É TESTE CARGA?
AFINAL, PODE OU NÃO ILUMINÂNCIA NO PPRA?
SESMT: PERGUNTAS E RESPOSTAS (MTE - 2016)
PROTOCOLO DE SEGURANÇA NO TRABALHO NAS OBRAS DAS OLIMPÍADAS RIO 2016
E-SOCIAL: UMA NOVA ERA NAS RELAÇÕES ENTRE EMPREGADORES, EMPREGADOS E GOVERNO (POR FELIPE COSTA, TST)
MODELAGEM COMPUTACIONAL APLICADA PARA SEGURANÇA/PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS
TIPOS DE FERRAMENTAS MANUAIS
MTE: ESTRATÉGIA NACIONAL PARA REDUÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO 2015-2016
GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR
UTILIZANDO UMA MATRIZ DE RISCO
GESTÃO DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
A GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR

Assine já e participe 

dos nossos grupos 

no Whats App!

Conheça profissionais 

de todo Brasil e tire

suas dúvidas!