ACIDENTES EM MONTAGENS DE TORRES PARA CELULARES

Domingo, 28 Fevereiro 2016 09:27
Avalie este item
(4 votos)

 

Mais trabalho significa mais risco? Veja o que os profissionais do SEMST devem saber para a proteção dos trabalhadores. Algumas recomendações são úteis para outras atividades em que haja necessidade de uma ação efetiva do SESMT


 

A crescente demanda por velocidade dos serviços de telefone celular e de rede mais rápida resultou em um aumento no trabalho de torres de comunicações. No entanto, o aumento desse tipo de trabalho resulta em um aumento do risco para os trabalhadores e a situação tende a piorar com o aumento da demanda.

Antes de 1980 a construção de torres de comunicação, serviços e manutenção era muito pequeno e limitado e um segmento da indústria muito especializado. Nos últimos 30 anos o crescente aumento da demanda para comunicação sem fio resultou em um dramático aumento na construção e manutenção de torres.

Uma Estatística de 2013 nos Estados Unidos mostra que os acidentes fatais podiam ter sido evitados e eram, ou resultado da falta de fornecimento de EPI contra quedas, ou os empregados deixavam de utilizar o equipamento fornecido, ou seja, falha também na fiscalização do uso do EPI.


O risco de lesão fatal para os trabalhadores em torres de comunicação é de 25 a 30 por cento maior do que o do trabalhador médio de acordo com o Ministerio do Trabalho (Estados Unidos). Usando escadas fixas, degraus parafusados, ou outro tipo de torre, os empregados terão que subir regularmente torres que variam de 30 a 600 metros de altura, mesmo durante todo o ano, ou ainda sob condições meteorológicas adversas.

O risco de lesão fatal para os trabalhadores em torres de comunicação é de 25 a 30 por cento maior do que o do trabalhador médio de acordo com o Ministerio do Trabalho (Estados Unidos). Usando escadas fixas, degraus parafusados, ou outro tipo de torre, os empregados terão que subir regularmente torres que variam de 30 a 600 metros de altura, mesmo durante todo o ano, ou ainda sob condições meteorológicas adversas.


 

O consenso sobre os acidentes nessa atividade é que a maioria pode ser evitada e deve-se a falha na proteção de quedas. Portanto, o foco é o uso apropriado de sistemas de elevação e de proteção de quedas de forma adequada.

As diretrizes de segurança envolvem o uso de pessoal especializado em elevação incluindo o trabalho de manutenção da torre, com detalhes sobre como elevar e mover trabalhadores para as estações de trabalho e as torres de comunicação. Um dos principais aspectos é que a convocação para o pessoal de elevação só deve ser feita durante a construção de uma nova torre, mas não durante o trabalho de manutenção ou trabalho em torres já existentes.

AS EMPRESAS SÃO RESPONSÁVEIS
PELA SEGURANÇA DOS TRABALHADORES
 

A principal responsabilidade na prevenção é das empresas e isto significa que elas devem assegurar adequado treinamento e proteção em todas as fases da operação.

Observe as diretrizes abaixo cuja conformidade pode assegurar a segurança e saúde de trabalhadores em torres de comunicação e do pessoal da área de elevação de pessoal e equipamentos:

 

 

DIRETRIZES ATUAIS

O método preferido para acessar estações de trabalho nas torres de comunicação é usar escadas fixas com dispositivos de escalada em anexo. Este método permite a proteção contra quedas durante a subida e descida da estrutura. No entanto, quando um funcionário tiver que escalar uma torre repetidamente e materiais devam ser içados, a prática do mercado é para içar os funcionários para o nível de trabalho na torre.

Para o içamento de pessoal, uma plataforma deve ser usada como prescrito pelo fabricante da plataforma ou uma cadeira de contramestre ou arnês. Ao içar o pessoal e materiais em uma torre de comunicação durante a utilização de uma plataforma de pessoal, materiais e ferramentas pessoais podem ser içados simultaneamente. No entanto, quando uma cadeira de contramestre ou arnês é usada, o pessoal e os materiais devem ser içados separadamente.

Nessa situação, adicionalmente, uma corda de segurança deve ser utilizada para conectar a pessoa ao gancho de elevação.

Para impedir a perda de contacto, o gancho da grua deverá ter a capacidade de ser bloqueado numa posição fechada e estar equipado com um fecho de segurança. Deve ser dada especial atenção às condições meterológicas.

Para o trabalho de construção em torres existentes, os empregadores estarão submetendo os trabalhadores a riscos quando não fornecem proteção contra queda (guardrails, redes de segurança ou sistemas de trava-queda) para os empregados em estações de trabalho com os lados desprotegidos ou arestas  que estejam a 2 metros ou mais acima de um nível inferior. Além disso, um treinamento em proteção de quedas deve ser providenciado quando os empregados estejam a mais de 7 metros de altura do chão.

 

PROTEÇÃO PARA TRABALHO EM ALTURA

Independentemente de saber se um empregado está trabalhando 6 ou 600 metros acima do solo o trabalho pode ser perigoso e potencialmente fatal. Não importa quão grande ou pequeno, ou em qual tipo de indústria - nenhuma empresa está imune às repercussões mentais, emocionais e financeiras de um trabalhador morto ou gravemente ferido de uma queda no trabalho. Além disso, se ocorrer uma queda, as empresas envolvidas podem enfrentar prejuízos fiscais e judiciais.

Como a quantidade de trabalho em torres de comunicações está crescendo, o potencial de lesões e quedas também cresce. No entanto, fornecendo  treinamento e equipamento adequados, investindo na formação de trabalhadores para usar o equipamento corretamente e selecionando as empresas contratadas confiáveis, vidas podem ser salvas. Cabe a ambos os empregados e seus empregadores saber como essas mudanças vão impactar seus locais de trabalho e como se posa garantir que haja treinamento necessário.


OBSERVAÇÕES

Impulsionado pela crescente popularidade dos smartphones e outros que utilizam redes 4G de tecnologia sem fio, trabalhos de torres de celular não são apenas cada vez mais prevalentes, mas também os postos de trabalho estão em constante evolução.

Há necessidade de que programas de treinamento, inclusive para aprendizes, que possam ser desenvolvidos o quanto antes a fim de dar suporte a uma das atividades de mais rápido crescimento no mundo e que deve contar com treinamento de excelência na área de segurança orientado por profissionais de segurança experientes.

 

About the Author

Craig Firl é especialista em segurança no trabalho em altura exercendo  atividades numa indústria de equipamentos de segurança para trabalho em altura e proteção de queda - visit www.capitalsafety.com.

 

 

 

 

Lido 8635 vezes Última modificação em Segunda, 29 Fevereiro 2016 15:09

4 comentários

  • Link do comentário mattos Terça, 22 Março 2016 18:23 postado por mattos

    Gostaria de ver mais posts trabalho em altura em redes elétricas. Parabéns pelo texto.

  • Link do comentário rodrigo gaspar Terça, 08 Março 2016 01:03 postado por rodrigo gaspar

    trabalho em altura não tem moleza

  • Link do comentário evandro_42 Sexta, 04 Março 2016 19:10 postado por evandro_42

    Parabéns, obrigado a todos que contribuem a esse portal

  • Link do comentário seulb Terça, 01 Março 2016 22:49 postado por seulb

    mais um ótimo material

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Categorias: