PROTEJA SUAS MÃOS

Sexta, 29 Janeiro 2016 12:36
Avalie este item
(2 votos)



A manutenção preventiva e cuidados das mãos dos seus trabalhadores pode soar como senso comum, mas as estatísticas não mentem: muitos não estão fazendo o suficiente. 
Este post é uma tradução de artigo publicado no OHS online sobre o assunto.

 

As mãos são essenciais na realização de qualquer trabalho. E se elas estão machucadas, com bolhas ou inchadas, é mais do que uma questão estética. Esta condição dolorosa da pele, conhecido como dermatite ocupacional, não só pode afetar negativamente seu desempenho no trabalho mas também a sua subsistência.

De acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças, até 40% dos trabalhadores vão sofrer de dermatite ocupacional em algum momento de suas vidas profissionais. Uma análise mais profunda sobre as estatísticas mostram que 50% de todo o tempo de trabalho perdido para a doença industrial é devido a dermatite (EUA Bureau of Labor Statistics). Apenas 1 único caso de dermatite ocupacional pode custar ao empregador aproximadamente R$14.000,00 em pedidos de indenização e uma deficiência média de 23,9 dias, de acordo com o Journal of the American Medical Association.



A manutenção preventiva e cuidados das mãos dos seus trabalhadores pode soar como senso comum, mas as estatísticas não mentem: Muitos não estão fazendo o suficiente. Estratégias descritas abaixo são para diminuir a probabilidade de dermatite ocupacional:

 




 
 

Sobre o uso de luvas, é importante lembrar que as de borracha natural são impermeáveis à maioria dos compostos aquosos, porém, deterioram-se após exposição a ácidos e bases fortes. Os sais de níquel penetram na borracha, porém não em luvas de PVC (policloreto de vinila). As borrachas sintéticas são mais resistentes a álcalis e solventes; algumas são alteradas por solventes hidrocarbonetos clorados. É recomendável utilizar luvas de algodão por dentro das luvas sintéticas, para maior proteção à pele das mãos.

Os cremes protetores ou cremes de barreira, em geral, oferecem menos proteção do que as roupas, incluindo uniformes, luvas, botas, mas podem ser úteis nos casos em que, por motivos de segurança ou acuidade das tarefas, não é possível o uso de luvas. Esses cremes devem ser aplicados na pele limpa, removidos sempre que a pele ficar excessivamente suja, ou no final do turno, e então reaplicados.





 Para complementar, veja um ótimo artigo sobre Luvas:

 



Isabelle Faivre 

Vice Presidente de Marketing DEB Conseil

 

 

Lido 1335 vezes Última modificação em Quinta, 18 Fevereiro 2016 00:35

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Categorias: