(NR-15) RISCOS DE VIBRAÇÃO NOS AMBIENTES DE TRABALHO: O BÁSICO DE UMA AVALIAÇÃO DE RISCO

Sexta, 12 Junho 2015 18:44
Avalie este item
(4 votos)



Neste post vamos examinar como a vibração nos locais de trabalho pode ser identificada e mesmo avaliada de forma básica e simples para quem quer se familiarizar com o problema. Trata-se de uma tradução e contextualização de artigo publicado no site Saúde Ocupacional on line (OHS). O assunto está relacionado à NR-15 (INSALUBRIDADE) no Anexo 8 (Vibrações).

RISCOS DE VIBRAÇÃO

      Rob Brauch

 

Todos os dias, muito tempo e esforço é gasto em medir os níveis de vibração em veículos, fábricas, edifícios, e em outras estruturas e  máquinas, mesmo em equipamentos tão diversos como discos rígidos de computadores e naves espaciais, durante a fase de projeto, desenvolvimento e testes. Milhares de engenheiros, técnicos, consultores e projetistas de máquinas tornaram-se especialistas  quando se trata de medir como os objetos físicos são afetados por vibração. No entanto, é incrível como uma percentagem pequena  desta especialização é focada em como a vibração no local de trabalho provoca ferimentos e lesões graves que poderiam ter sido evitados com a aplicação correta de conhecimento e aplicação de algumas orientações simples.

 

 

A exposição repetida a altos níveis de vibração é conhecida por causar lesões dos trabalhadores ao longo do tempo. Baseado em exatamente como essas exposições se cruzam no ambiente de trabalho de um indivíduo, eles são classificados em dois tipos gerais: 

 

 

Exposição a vibrações mão-braço (VMB), além de ser um fator contribuinte conhecido à síndrome do túnel do carpo e outras lesões relacionadas à ergonomia, causa lesão direta para os dedos e mãos, afetando:

 

 

 

Nota da Tradução:

 

Atualmente o anexo 8 da NR 15 é quantitativo e possui limites de tolerância. (aparece no infográfico uma parte do texto; veja o texto todo no site):

 

 

Trata-se de situação mais grave visto que envolve níveis mais elevados do que o esperado de dor e lesão nas costas fato que se constitui uma das causas mais comuns de horas paradas e perda de produtividade.

 

HISTÓRICO

 

Alguns dos casos mais precoces de lesão diretamente atribuída a trabalhar com ferramentas elétricas portáteis foram identificados por Dra. Alice Hamilton no início do século 20, que correlacionou os casos que foram chamados de "Síndrome de Raynaud de origem ocupacional" (a Síndrome e Raynaud é uma resposta a redução da circulação de pequenos vasos nas extremidades, como ocorre nas vibrações) observados durante a utilização de ferramentas pneumáticas de lascar pedra em uma pedreira local. Isto abriu a porta para o estudo da relação entre elevados níveis de vibração no corpo e as lesões debilitantes que resultam desse agente, algumas tão graves que resultaram em amputação completa das pontas dos dedos. O estudo de vibração e sua relação com a prevalência e gravidade das lesões causadas pela exposição crônica no local de trabalho continua até hoje.

 

Então, o que exatamente acontece que leva um movimento mecânico repetitivo ou cíclico de uma ferramenta ferir a mão e os dedos de alguém a ponto de amputação possível?

 

O corpo humano é uma estrutura complexa, construída de múltiplos sistemas de interligação. Isto inclui o sistema vascular (que distribui o oxigênio e nutrientes aos tecidos por todo o corpo através da circulação), do sistema nervoso (que fornece a entrada sensorial para o cérebro) e o sistema muscular (que executa a força e o movimento). Além disso, há o controle muscular global, desde nosso coração até nossos dedos das mãos e pés. Portanto, os níveis excessivos de vibração podem causar o rompimento localizado destas funções. Uma forma simplificada de visualizar os processos biomecânicos e bioquímicos muito complexos considerados como as causas das lesões,  é imaginar como funcionam as menores estruturas no sistema vascular, esses vasos muito pequenos e capilares que propiciam a transferência de oxigênio de células sanguíneas para as células e estruturas dos diversos tecidos que precisam desse oxigênio para sobreviver.

 

A investigação demonstrou que os níveis de vibração semelhantes aos encontrados em ferramentas elétricas portáteis pode diminuir o fluxo de sangue nas extremidades tornando menos eficaz a transferência de oxigênio e outros nutrientes vitais para as células quando elas mais precisam. Quanto menos oxigênio e menos nutrientes são transferidos para as células e tecidos que precisam deles, durante a ação da vibração, essas células acabam morrendo, sendo as células nervosas as mais vulneráveis ​​e as primeiras a se expor a morte celular ou necrose. Ironicamente, então, as próprias células na mão e dedos que nos permitem sentir e tocar com grande sensibilidade e aderência uma ferramenta necessárias para exercitar o controle, são os primeiros a serem "mortos" pela exposição à excessiva vibração. Na verdade, quando os médicos fazem o diagnóstico de VMB, isso significa que existe lesão de ambos os componentes, vascular e nervosa. 

 

 

Muitas das ferramentas que são usadas regularmente ao longo de vários setores podem fazer e causar ferimentos do uso repetido.  Máquinas de afiar, fragmentar,  lixar, marteladores, furadeiras de impacto, chaves pneumáticas, serras de todos os tipos, e até mesmo instrumentos dentários podem ser fontes de vibração que, se usados repetidamente por longos períodos de tempo, podem causar vibrações mão-braço lesão. Como resultado, estima-se que mais de 1 milhão de trabalhadores podem estar em risco de desenvolver os sintomas.

 

LATÊNCIA

 

O período de latência de exposição contínua ao início pode ser tão pouco como dois anos ou tão longo quanto 17 anos, dependendo das ferramentas utilizadas e trabalhos realizados. As lesões resultantes da vibração tornam-se uma preocupação quando longos períodos de tempo são gastos em equipamentos como empilhadeiras, caminhões, máquinas de mineração, de pavimentação, e até mesmo lanchas ferroviárias e outros meios de transporte comuns.

 


Identificar o potencial para ferimentos causados por vibrações no local de trabalho é relativamente simples, e estimar o nível de risco é possível mesmo que os níveis de exposição reais em qualquer dia sejam difíceis de quantificar com precisão. Como muitos riscos no local de trabalho, a avaliação envolve o tempo e a intensidade da exposição. A presença de fontes de vibração, tipicamente de mão, provocadas por ferramentas eletricamente motorizadas ou pneumáticas pode ser determinada através de uma auditoria com um inventário dos equipamentos utilizados no local. Um estudo sobre a utilização da ferramenta dá uma estimativa razoável do tempo de exposição.

 

Entender se o nível, ou amplitude, da vibração representa risco significativo é mais difícil, mas o desenvolvimento recente de Normas direcionadas aos fabricantes tem levado a fornecedores de ferramentas divulgar as emissões de vibração de suas ferramentas, de forma que os profissionais de segurança podem facilmente pesquisar se as ferramentas em seus locais de trabalho representam um risco significativo ou não, lendo o manual do operador para a ferramenta ou veículo em questão.

 

Deve notar-se que estes níveis são estabelecidos para as ferramentas que se encontram em estado de novas e não tenham sido submetidas a um tratamento inadequado, abuso e desgaste de ferramenta, etc.

 

Recomenda-se que um modelo de exposição deva ser desenvolvido, tendo a média de tempo na tarefa com um equipamento que possa dosar a vibração em alguns pontos de exposição. Planilhas estão disponíveis para fazer este cálculo e podem ser facilmente encontrado em vários sites relacionados. 

Outros fatores de risco que contribuem para a probabilidade de lesão incluem 

erro2

Relatos de trabalhadores que sofrem de uma sensação de formigamento nas mãos e dedos depois de usar uma peça de equipamento pode ser outro indicador de risco. Se os trabalhadores estão reclamando de clareamento dos dedos seguidos por um "rubor" efeito, ou dor e dormência ocorrendo fora do trabalho, já está havendo risco de início da lesão. É recomendável avaliação médica, e o trabalhador deve ser encaminhada para um profissional médico para o diagnóstico.



 

Em casos onde os níveis estimados podem estar acima dos limites diários recomendados e onde o trabalho está sendo realizado e necessário, deve-se realizar a avaliação da exposição utilizando-se equipamentos adequados (monitores de vibração ou acelerômetros) que estão comercialmente disponíveis e desde que seja específico para medir a vibração humana (ao contrário de outros equipamentos que testam vibrações em equipamentos). A colocação, orientação e montagem do sensor de vibração é importante, visto que só a configuração do equipamento não é suficiente.

 

O acelerômetro de vibração é uma ferramenta universal especialmente desenvolvida para medir o desenvolvimento de uma vibração e para realizar medições práticas no setor da segurança no trabalho, podendo ser utilizado perfeitamente como dosímetro pessoal.

 

 

Se os trabalhadores estão em risco de vibração excessiva, podem ser tomadas medidas para reduzir ou eliminar esse risco por completo, incluindo a compra de novas ferramentas que vibram menos e mantê-los em um elevado padrão de desempenho. No entanto, algumas operações ainda vão exigir o uso de ferramentas que vão produzir níveis que são considerados prejudiciais - é praticamente impossível projetar certos tipos de ferramentas para produzir baixos níveis de vibração e ainda ser capaz de realizar a tarefa desejada. Quando for esse o caso, a melhor alternativa é limitar o tempo de exposição do trabalhador na tarefa; outra medida é aumentar a rotatividade de trabalho, implementar pausas frequentes e recomendar a manutenção e que as mãos seja mantidas quentes e secas.

 

Orientar o trabalhador a adotar uma técnica para reduzir o risco de lesões, visto que a quantidade de força de aderência usado e da forma como uma ferramenta pode "fazer o trabalho" pode limitar a quantidade de energia vibratória que entra no corpo (em vez de "forçar" a ferramenta através do trabalho para alcançar resultados mais rápidos).

 

Observar o tipo de pneus e suspensão utilizados em um veículo são considerações importantes, como são os assentos e sua adaptabilidade. Treinar e habilitar é importante visto que alguns trabalhadores podem não estar cientes dos riscos que enfrentam ao trabalhar com ferramentas e veículos que produzem níveis de vibração que parecem inofensivas, mas ao longo do tempo, talvez anos ou décadas, acabará afetando seriamente sua saúde e qualidade de vida. Deve-se informar os  trabalhadores sobre os riscos e como evitar ou reduzi-los, bem como capacitando-os a falar quando uma ferramenta torna-se desgastada ou danificada. Essas providências devem fazer parte de um programa de prevenção de lesões que aborda os riscos a longo prazo resultantes do trabalho sob vibração excessiva.

 

Alguns riscos no local de trabalho são iminentes e bem evidentes; exposição a vibrações nem sempre é considerada uma prioridade por alguns supervisores. Lesão por exposição ao excesso de vibração é progressiva, permanente, mas evitável. Com um pouco de conhecimento e atenta observação, qualquer profissional de segurança e saúde pode se tornar familiarizado com os riscos de vibração e tomar medidas para reduzir ou eliminá-los. Quando se trata de prevenção de lesões por vibração, nunca é tarde demais para tomar medidas oportunas.

 

Sobre o autor
Rob Brauch
Gerente de Unidade de Negócios em
uma empresa de construção argentina

Tradução e Contextualização: 

Lido 39892 vezes Última modificação em Quarta, 17 Junho 2015 10:29

16 comentários

  • Link do comentário Everton Santos Terça, 15 Março 2016 18:27 postado por Everton Santos

    Otimo artigo

  • Link do comentário euller fragoso Terça, 01 Setembro 2015 08:56 postado por euller fragoso

    este artigo ficou bom mesmo, oq eu gostaria de ver era mais sobre nr 10, 15, 34

  • Link do comentário 93310840 Quinta, 02 Julho 2015 02:15 postado por 93310840

    Obrigado, ajudou bastante!!

  • Link do comentário André Nunes Quarta, 01 Julho 2015 13:53 postado por André Nunes

    Ótimo artigo. Obrigado.

  • Link do comentário Celso A. Segunda, 22 Junho 2015 16:55 postado por Celso A.

    boa tarde !!!!!

  • Link do comentário Mário Gouvea Quinta, 18 Junho 2015 19:28 postado por Mário Gouvea

    esse blog é nota 10!

  • Link do comentário rodolfo Quarta, 17 Junho 2015 13:33 postado por rodolfo

    gostei do site parabéns bom material esse tbm abç

  • Link do comentário alex2 Quarta, 17 Junho 2015 10:28 postado por alex2

    Bom dia...

    Obrigado, irei compartilhar o material.

  • Link do comentário Ricardo Gutemberg Quarta, 17 Junho 2015 06:49 postado por Ricardo Gutemberg

    muito bom! grato.

  • Link do comentário Mariano Da Cruz Terça, 16 Junho 2015 08:45 postado por Mariano Da Cruz

    bom dia e obrigado.

  • Link do comentário Renato Silvestre Segunda, 15 Junho 2015 22:57 postado por Renato Silvestre

    Em caso de acidente do trabalho a empresa pode fazer a reabilitação do funcionário para evitar o afastamento ?

    Obrigado!

  • Link do comentário Mara Bq Segunda, 15 Junho 2015 12:58 postado por Mara Bq

    add what app (32-8476-1058)

  • Link do comentário Amaury Nascimento Segunda, 15 Junho 2015 12:48 postado por Amaury Nascimento

    bom trabalho

  • Link do comentário Rodrigo Lara Segunda, 15 Junho 2015 11:54 postado por Rodrigo Lara

    mais uma ótima tradução pra gente, valeu NRFACIL

  • Link do comentário nrfacil542 Segunda, 15 Junho 2015 11:21 postado por nrfacil542

    bom dia, meu registro foi liberado e está funcionando

    obrigado

  • Link do comentário Michael Segunda, 15 Junho 2015 10:36 postado por Michael

    Dentre uma infinidade de problemas que um trabalhador possa ter por conta de um ambiente com ruído, podemos citar:

    Perda de audição: sons altos e intensos podem provocar a perda da capacidade auditiva, total ou parcial, de acordo com o tempo e grau de exposição do trabalhador ao som

    Dores de cabeça e no ouvido: as vibrações ocorrem na membrana timpânica, que passa a vibrar também com a chegada do som. Dependendo do nível de vibração, o ruído pode provocar incômodos como dores de cabeça e dores no ouvido

    Problemas psicológicos: devido ao fato do ruído atuar internamente (dentro do ouvido, que é sensível), seus efeitos são bastante incômodos, impedindo o raciocínio, calma e tranquilidade, ocasionando problemas de estresse, que por sua vez pode provocar depressão, fadiga, ansiedade e outros transtornos mentais

    Problemas cardíacos e de pressão: problemas psicológicos, por sua vez, provocam outros efeitos físicos, como aumento da pressão arterial, que pode resultar em um infarto e outros problemas cardíacos
    Problemas indiretos: um ruído pode atrapalhar um trabalhador também por conta da distração, quando um som influencia na atenção do funcionário, no exercício de seu cargo, bem como pode evitar que o trabalhador não consiga ouvir conversas, ordens e alarmes.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.


Categorias: